Briófitas

Espécies de plantas que são conhecidas por não terem tamanhos além do que trinta centímetros na parte que fica exposta no solo. Presente em parte do mundo, embora consiga se desenvolver melhor nos locais em que há excesso de umidade. Períodos secos ao extremo são prejudiciais ao levar em conta que a unidade botânica não tem estrutura de defesa desenvolvida o suficiente para poder aguentar excesso de tempo sem receber água de cima ou por baixo via fontes subterrâneas e lençóis freáticos.

Imagem de Amostra do You Tube

Qual Estrutura de Briófitas?

De acordo com grande parte dos especialistas a estrutura traz composição leve e pouco segura inclusive contra ataques de ventos rápidos e grandes. Podem estar presentes de forma frequente nos pastos para poder alimentar os animais de pecuária, ou mesmo nos campos abertos das savanas ou florestas tropicais. O musgo tem corpo compostos por estruturas que também serve para proteger a espécie. Existem três elementos vitais na estrutura das briófitas:

  1. Filoides: Sem a presença da estrutura clorofilada as plantas não consegue respirar de forma correta (fotossíntese). Ajudam para que as espécies se alimentem de água e sol para fase o processo de fotossíntese depois que a seiva bruta chega ao organismo e gera a clorofila antes de produzir a seiva trabalhada que funciona como espécie de sangue para a planta. Espécies do reino precisam de cuidado no cultivo para não falhar no processo de fotossíntese.
  2. Rizoides: Esses tipos de filamentos servem para que as espécies briófitas consigam ficar no solo e entrar no ciclo de ecossistema. Possuem a difícil tarefa de manter de pé espécies pequenas e que podem se danificar inclusive por conta dos movimentos de animais, pedestres e automotivos. O trabalho do conjunto consiste em absorver a luz sol e o H2O, dois elementos indispensáveis para que aconteça também a geração da clorofila, processo básico para a fotossíntese. Os sais minerais que as plantas precisam para sobreviver são conquistados graças aos processos rizoides.
  3. Cauleoide: Como o próprio nome pressupõe esse componente representa o caule das briófitas, ou pequenos troncos que fazem a unidade botânica ficar de pé e resistir às variações e danos ambientais sob a ótica natural (degradação da natureza) e artificial (atos de desmatamento promovido por seres-humanos). Os filoides usam os caminhos da cauleoide para distribuir nutrientes para a parte superior da planta. O trabalho da raiz em empurrar com pressão a seiva (sangue da planta) para cima tem o auxílio direto dos filoides que atuam nos pequenos troncos. Em termos biológicos significa estrutura complexa que trabalha com dinamismo às pequenas espécies conseguirem ficar vivas e de desenvolver no ecossistema.

Quais Principais Diferenças das Briófitas?

Ao contrário de grande parte de plantas catalogadas de modo oficial na natureza (valor com base entre 350-400 mil) as briófitas trazem os nomes escritos acima ao invés dos termos tradicionais e conhecidos em termos populares: Folha, caule e raiz. Cientistas especialistas em botânica apontam que a classificação acontece de forma diferente ao levar em conta que as estruturas das briófitas funcionam de forma diferente das estruturas de plantas vasculares, por exemplo.

Carência nos Vasos que Conduzem Nutrientes: Briófitas

O pequeno tamanho das espécies representa ponto que prejudica no sentido de formar estrutura de defesa contra principais predadores. Também existe a carência nos vasos que servem para fazer transporte de energia para as partes distintas da espécie. O problema de distribuição no H2O também representa elemento fraco em briófitas, por esse motivo apenas consegue se desenvolver em locais úmidos e com a presença maior de sombra do que de sol. As luzes solares constantes aceleram a seca no corpo celular.

A carência dos vasos proporciona grandes dificuldades para as briófitas receberem quantidade de água necessária para a estrutura poder se desenvolver. Como a distribuição acontece com o contato dos corpos celulares no organismo da briófita também há problemas para conseguir se desenvolver com as plantas maiores com organismo preparado para trabalhar de forma rápida e eficaz para crescer de maneira forte e rápida.

Nesse sentido se considera que as briófitas são pequenas por causa da falta de vasos que servem para distribuir os nutrientes na parte interna. Também em consequência das funções distributivas não consegue sobreviver e se desenvolver no sol na forma que acontece com climas com maiores sombreamento e nível de umidade no solo.

De forma contrária acontece com as plantas grandes. Porém, caso as maiores espécies não tivessem sistema que trabalha de forma ativa e melhor do que as briófitas as chances das folhas, estrutura do caule e raízes ficarem secas e desnutridas. O fato aumentaria as chances de acontecer nos períodos quentes do ano ao levar em conta que as folhas transpiram ao extremo e por consequência perde quantidade enorme de H2O.

Não se pode ignorar o fato de que também existem plantas baixas conhecidas por conta do excesso nos vasos de nutrientes, como no caso dos capins, por exemplo. Nesse sentido a espécie cresce de forma rápida além do que outras unidades botânicas do reino briófitas. Claro, todas as regras possuem a exceção. Porém, especialistas precisam compreender que a grande parte de plantas estabelecidas no campo terrestre que não traz estrutura forte e completa no conjunto de vasos distribuidores de nutrientes tem como característica o pequeno tamanho e a grande necessidade de ausência do sol e excesso de água.

Especialistas indicam que os musgos consistem na principal família que existe no reino das briófitas. Tipos conhecidos porque possuem características botânicas que se estabelecem de forma ereta. Também existe a importância de classificar sistemas hepáticos com destaque da mesma forma, ou seja, plantas que se desenvolvem ao ficar deitadas sob a terra. Em termos aquático se considera que existem briófitas com a capacidade de conseguir viver em recursos fluviais, mas nunca no oceano.

Atenção! Períodos secos são prejudiciais ao levar em conta que a unidade botânica não tem estrutura de defesa desenvolvida o suficiente para poder aguentar excesso de tempo sem receber água de cima ou por baixo via águas subterrâneas e lençóis freáticos.

O que são Briófitas?

Briófitas

Briófitas

A natureza possui muitas espécies de plantas, animais e seres que são desconhecidos por nós, devido à imensa quantidade de variedades que existem. Muitas vezes nos deparamos com espécies ou seres que nem sequer fazemos ideia do nome e nem sabemos o que é. É o caso das briófitas que certamente muitos já ouviram falar, porém nunca as viram ou reconheceram-na.

As Briófitas são plantas de coloração verde e geralmente são encontradas em locais com umidade e que são protegidos da luz solar. Podemos vê-las em grande quantidade presa às árvores, um aglomerado de plantinhas verdes fixado, que se tocarmos podemos sentir a umidade presente nessas plantas.

Estrutura das Briófitas

Plantas

Plantas

No geral as briófitas possuem a estrutura composta de três partes: os rizoides, os caulóides e os filóides. Isso porque a estrutura das briófitas não se assemelha as das demais plantas por não possuir os chamados vasos condutores, responsáveis pelo transporte da água para a nutrição das briófitas.

Nas outras plantas do mesmo grupo, os vasos condutores estão presentes para o transporte da água e nutrientes necessários para a planta. Assim, a água é absorvida diretamente do ambiente pelas briófitas e transportada através das células. Porém, o processo é lento e faz com que o desenvolvimento da planta seja limitado, explicando assim o fato das briófitas serem pequenas e baixas.

Classificação

Características

Características

As briófitas possuem três tipos de classificação, tendo cada qual suas próprias características. Os musgos são provavelmente os mais conhecidos e possuem as três partes: rizóide, caulóide e filóide e são encontrados em ambientes úmidos, são os representantes da classe Musci. A forma de reprodução é sexuada, através da metagênese.

A outra classe é representada pelas briófitas hepáticas, que devido ao significado do nome, hepato = fígado, suas folhas tem o formato de um fígado e são encontradas em ambientes terrestres e úmidos. A forma de reprodução é assexuada.

A última classe são os ancerothaes, os antóceros, que se caracterizam por serem fixados ao substrato pelos rizóides e são constituídos pelo gametólio folhoso a arredondado.

Importância das Briófitas

As briófitas têm um papel muito importante no ambiente. São muito úteis para evitar o desbarrancamento devido ao entrelaçamento dos seus rizóides que protegem o solo. Podem produzir substâncias que servem com antibióticos e algumas briófitas formam turfeiras, das quais surgem as turfas que são utilizadas como combustível em certos locais.

Também são responsáveis por decomporem as rochas sobre as quais estão fixadas. São também indicadoras de poluição do ambiente, pois quando o mesmo está poluído elas somem, indicando que o ambiente está poluído. Evitam a erosão, amenizam inundações. Estão sendo utilizadas para a análise da poluição e para verificação da qualidade do solo. Também são utilizadas para fins medicinais e para cultivo de orquídeas. Servem de alimento para mamíferos, peixes e pássaros.

Escrito por Renato Duarto Plantier

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>