Sequoia Gigante – Sequiadendron Gigantea

A Sequoia Gigante é a maior arvore existente e conhecida em nosso planeta e alem disso, é considerado o ser vivo mais antigo do planeta.

A Sequoia Giagante possui o nome cientifico de Sequoiadendron Gigantea. A Sequoia Gigante pertence a família das plantas Cupressaceae. A família das Cupressaceae é composta por 30 gêneros e 142 espécies, originadas da região temperada. Em geral, as plantas da família Cupressaceae  são plantas coníferas, arbóreas ou arbustivas, de cor verde, com folhas simples, verticiladas ou opostas.

Conforme os registros, a Sequoia Gigante é uma arvore que não cessa o seu crescimento, e algumas das arvores encontradas possuem mais de quatro mil anos. Conforme os registros existentes, já foram encontradas espécies de Sequoia Gigante com 715 metros de altura e 08 metro de diâmetro.

Atualmente, a mais antiga Sequoia Gigante registrada pelos estudiosos é a que se encontra no Parque Nacional da Sequoia, que fica situado na Califórnia, nos Estados Unidos. Essa Sequoia possui em torno de 4.650 anos e é conhecida pelo nome de General Sherman.

A General Sherman é tida como a maior arvore existente no mundo em termos de volume, algo em torno de 1500 metros cúbicos. Contudo, em termos de altura a General Sherman não é das plantas mais altas, possuindo em torno de 84 metros (no próprio Parque das Sequoias, existem outras arvores maiores que ela), o que é equivalente a um prédio de 27 andares. A General Sherman possui em torno de 11 metros de diâmetro na base do tronco.

As Características da Sequoia Gigante – Sequoiadendron Gigantea

A Sequoia Gigante é a única espécie do gênero Sequoiadendron que faz parte do grupo de plantas coníferas (são plantas gimnospérmicas, geralmente arbustos escandentes que habitam as regiões tropicais e temperadas do planeta. Se caracterizam por viverem um longo período – são plantas perenes).

A Sequoia Gigante se caracteriza por serem as maiores arvores do planeta, quando considerarmos o aspecto volume. Elas crescem em média de 50 a 85 metros.

A Sequoia Gigante é uma planta que se adapta com facilidade aos climas tropical e temperado. E elas gostam de solos frescos e que sejam bem drenados.

A Sequoia Gigante é uma arvore resinosa, que possui um tronco que apresenta uma casca fibrosa, e possui sulcos. A casca da Sequoia Gigante é tão grossa que chega a possuir 60 centímetros de grossura na base do tronco da planta.

Por isso, a madeira das arvores adultas ou maduras são altamente resistentes, e a casca da Sequoia Gigante é tida como excelente proteção contra o fogo. No entanto, devido o fato da madeira da Sequoia Gigante ser muito fibrosa e quebradiça, ela não é utilizada para a construção civil. A Madeira da Sequoia Gigante é usada para a construção de telhados de madeira, mourões e arvores de natal.

As folhas da Sequoia Gigante são muito similares as folhas dos pinheiros, possuem cerca de 06 milímetros, e fazem um espiral  nos brotos. As folhas da Sequoia Gigante se caracterizam por serem persistentes e possuírem o formato de agulhas escamosas.

As sementes da Sequoia Gigante se localizam dentro de cones (plantas coníferas), e cada um desses cones possui cerca de 230 sementes, que possuem a coloração marrom escura. Os cones da Sequoia Gigante são lenhosos e de formato oval e chegam a permanecer por cerca de 21 anos na planta.

De uma forma geral, as sementes da Sequoia Gigante são carregadas pelo vendo quando se soltam dos cones.

A Sequoia Gigante é considerada um fóssil vivo, isto é, são grupos biológicos muito parecidos com organismos que possuem registro fóssil e no passado foram abundantes quando comparados com o período atual.

Atualmente, a Sequoia Gigante vem sendo cultivada em nosso país, para ser utilizada com objetivos de adaptação da espécie (devido a destruição em seu local de origem) e para fins ornamentais.

Outra característica da Sequoia Gigante é que elas são plantas bastante resistentes as doenças e aos ataques dos insetos.

A Importância da Sequoia Gigante –  Sequoiadendron Gigantea

Devido ao fato de ser o maior ser vivo existente no planeta, a Sequoia Gigante tem uma grande importância para o ecossistema dos locais onde ela é cultivada.

A existência da Sequoia Gigante é fundamental para a troca de oxigênio e gás carbônico que é feito pelas arvores, alem disso a Sequoia Gigante tem importância para  nutrição da fauna e da flora que ficam ao redor da planta.

A Reprodução da Sequoia Gigante – Sequoiadendron Gigantea

A propagação ou multiplicação da Sequoia Gigante acontece através da propagação de suas sementes.

As sementes da Sequoia Gigante ficam em cones chamados de pinhas. Em cada pinha existem em torno de 230 sementes guardadas no interior destas, que se dispersam no solo quando as pinhas caem da planta.

Uma Sequoia Gigante gera durante toda a sua vida, em torno de 300.000 pinhas, o que garante em torno de 60.000.000 de sementes produzidas durante a sua vida.

No entanto, de todas essas milhões de sementes produzidas, só irão gerar uma Sequoia Gigante que irá viver pelo menos 2.000 anos.

A Sequoia Gigante pode indicar a data do Dilúvio?

A Sequoia Gigante é uma espécie de planta muito antiga, algumas plantas conforme os registros possuem mais de 4.000 anos, isto é, existem desde antes da passagem de Jesus Cristo no planeta terra, que é o marco da divisão de datas e calendário do nosso planeta.

Conforme os registros bíblicos, o dilúvio ocorreu por volta de 2.000 anos Antes de Cristo. O dilúvio durou cerca de 01 ano e causou a destruição total de todas as coisas vivas que existiam naquela época.

Conforme os estudos e registros, quando o dilúvio recuou, ele deixou um aluvião e outras condições ao solo da época (frinchas e encostas de montanha com deposito com pouca profundidade). Essas condições deixadas pelo dilúvio seriam apropriadas para a germinação e desenvolvimento das sementes da Sequoia Gigante.

Apesar de todas essas informações existentes, não podemos considerar a Sequoia Gigante como uma espécie de cronometro da existência ou não do dilúvio. O interessante é que sejam pegues os fosseis dessas plantas e sejam feitos estudos minuciosos e possamos identificar o que realmente aconteceu naquela época.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Flora

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *