Queimadas na Amazonia

É de conhecimento geral que a Amazônia é uma das reservas florestais e animais mais importantes de todo o planeta. E não somente por conta de sua dimensão, que é também muito importante: é que, por ali, estão concentradas a maior parte da biodiversidade de todo o planeta. Por muito tempo, foi considerada como o “pulmão do mundo”, por conta da presença incontável de árvores e outros tipos de plantas. Isso foi desmentido mais tarde, já que, mesmo com a intensa presença verde e a produção de oxigênio, foi provado que todo o oxigênio produzido na Amazônia por ali permanece. As verdadeiras responsáveis por manter o oxigênio na Terra são as algas.

Todos sabem que a Amazônia não abrange somente uma boa parte do Brasil: ela está presente em vários outros países da América do Sul. Porém, é aqui no nosso país que ela se encontra em maior quantidade, principalmente no estado do Amazonas. Por conta disso, o país é o centro das atenções quando se fala em proteção ambiental, já que temos uma verdadeira preciosidade em nossas mãos, além de outras.

Só que, mesmo tendo toda essa responsabilidade nas costas, o Brasil, nos últimos anos, vem apresentando uma série de deficiências em relação à preservação da Amazônia: muitos casos relacionados com grilagem de terras, extermínio de nativos e de desmatamento desenfreado vem recheando os noticiários nacionais e internacionais, que estão cada vez mais preocupados com os rumos que a preservação ambiental tem tomado nos últimos tempos.

A Amazônia

A Floresta Amazônia, Floresta Equatorial Amazônica, Selva Amazônica, dentre muitos outros nomes, é uma colossal floresta latifoliada úmida que é a responsável por cobrir a maior parte da Bacia Amazônica da América do Sul. Tal bacia tem uma abrangência de mais de sete milhões de quilômetros quadrados, sendo que cinco milhões e meio de metros quadrados estão reservados à floresta tropical. Como já dito anteriormente, não é somente no Brasil que a Floresta Amazônica está localizada, estando presente em mais outras nove nações sul-americanas. Sessenta por cento da floresta amazônica está localizada no Brasil, sendo que o Peru vem logo atrás, com treze por cento da floresta e o restante distribuídos nas demais nações por onde a floresta se estabelece. Tamanha é a importância dessa floresta para a região é que em todos os países por onde ela se estende tem um estado ou departamento chamado “Amazonas”, como é o caso do próprio Brasil.

Faz parte dos seis grandes biomas brasileiros, sendo que é a maior concentração de espécies tropicais de todo o planeta. Tamanha é a sua importância Global que a floresta foi inscrita como sendo uma das sete maravilhas da natureza, tenho ganhado disparada.

Os Exploradores Europeus

A história da descoberta do Rio Amazonas se alia e muito com o início do desbravamento, exploração e saqueamento do Brasil promovido pelos colonizadores europeus. Em 1540, quarenta anos depois da chegada de Pedro Álvares Cabral na Bahia, o explorador Francisco de Orellana, vindo dos Andes, desceu por um gigantesco rio que cortava grande parte da América do Sul, até desembocar no mar. O Rio, de fato, era muito grande e, ao longo do seu percurso, Francisco descobriu vários povos indígenas ao seu redor, incluindo uma tribo indígena formada exclusivamente por mulheres, que passaram a ser chamadas de Amazonas.

Pedro Álvares Cabral

Pedro Álvares Cabral

Tendo o rio diversos nomes, tanto dado pelos nativos quanto pelos saqueadores europeus, o nome escolhido para batizar o rio foi “Amazonas”. O rio tem uma importância tremenda para manter o equilíbrio amazônico, tendo sido responsável, também, por manter os ciclos de chuva em todo o Território Brasileiro. Inclusive, é o maior rio de todo o planeta, tanto em extensão quanto em nível de água.

A História da Amazônia

Muito se discorre sobre quando a Amazônia começou a se formar. A maioria dos pesquisadores entrou em um consenso que diz que a Amazônia teve o seu início durante o período Eoceno. Tal período ficou conhecido por apresentar temperaturas mais baixas globalmente, uma redução que foi sentida a partir do Oceano Atlântico. Portanto, é sabido que a Floresta Amazônica tem mais de cinquenta e cinco milhões de anos, tendo passado por algumas Eras do Gelo que, inclusive, forçaram a sua “savanização” por alguns períodos, mas nada que fosse muito irreversível e que permitiu que a floresta se recuperasse.

Depois de eventos como a extinção Cretáceo- Paelogeno e a subsequente extinção dos Dinossauros, a Amazônia teve uma deixa que permitiu que ela se expandisse para, praticamente, todo o continente. E, assim, ela se manteve em crescimento constante, sobretudo com o desenvolvimento do Rio Amazonas. Porém, segundo estudos, mudanças foram sendo notadas já a partir de 21 mil anos atrás, época do Último Máximo Glacial e a sua subsequente glaciação. Isso contribuiu, entre outras coisas, para uma redução da Amazônia, em se tratando da parte da floresta tropical úmida, mas não se sabe ainda o quanto essa redução foi e se ela foi, de fato, impactante.

Segundo pesquisas recentes indicam, a humanidade começou a colonizar a Amazônia há mais de 11 mil anos. Porém, a formação de civilizações se deu de uma maneira tardia, acontecendo a partir do ano 1250 depois de Cristo.

Amazônia Pré-Colonial

Amazônia Pré-Colonial

Embora muitos arqueólogos tenham defendido que era impossível que a Amazônia conseguisse manter uma civilização estabelecida, por conta da pouca presença de solo fértil por lá (a base para a agricultura, maneira de manter grandes populações), diversos estudos sugerem o contrário: em 1500, aproximadamente cinco milhões de pessoas viviam na Floresta Amazônica. Posteriormente, esse número foi diminuindo, por diversos fatores (incluindo aí o saqueamento e a exploração indevida propagada pelos europeus que, a partir de 1980, fez com que essa população se reduzisse para 200 mil pessoas.

Queimadas na Amazônia

Hoje, a Amazônia ainda tem uma grande importância para todo o planeta, com relatos de que ela ajuda a manter a temperatura a nível global. Recentes estudos indicaram que a poeira do Deserto do Saara ajuda a “ adubar” a Floresta Amazônica, sendo isso possível a partir das grandes correntes de vento que passam pelo deserto, atravessam o Oceano Atlântico e, assim, chegam à Amazônia.

Para acompanhar mais sobre as queimadas na Amazônia, acesse o link:

https://amazonia.org.br/2018/05/amazonia-maior-afetada-por-queimadas-em-2018/

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Natureza

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *