Atividade Extrativista: O Que é?

O Que é Extrativismo?

O extrativismo é a atividade mais antiga praticada pelo ser humano, pois consiste em coletar produtos naturais, que podem ser de origem mineral, animal ou vegetal. Basicamente atividade extrativista é aquela que coleta produtos da natureza, o homem realiza extrativismo desde o começo da humanidade, em todas as sociedades e tempos da história.

É curioso pensar que em certo momento da história o homem chegou a acreditar que os recursos naturais eram inesgotáveis. O conceito de extrativismo tinha base nas ideias dos Naturalistas até o começo do século XIX. Esse conceito vinha das descobertas de recursos nas grandes viagens, nas descobertas científicas enfim na crença da “mãe natureza” que concedia recursos sem fim.

O pensamento dos Naturalistas ganhou reforço ainda pela Revolução Industrial e também pelas teorias desenvolvidas por Karl Marx que entendia que tudo era produto. Foi nesse momento da história que os recursos naturais passaram a ser chamados de matérias-primas.

O Que é Extrativismo?

O Que é Extrativismo?

Recursos Esgotáveis

Foi a partir do século XX, devido ao crescimento demográfico e ao avanço tecnológico, que o homem percebeu na verdade os recursos eram esgotáveis. Percebeu-se que as matérias-primas eram finitas e com isso desenvolveu-se um novo pensamento em relação ao extrativismo, um pensamento em que era necessário promover a sustentabilidade dos ecossistemas. Os projetos de desenvolvimento sustentável passaram a ganhar mais força.

Devido a isso surgiu um novo perfil de atividades extrativistas no mundo, a forma como o homem se relaciona com o extrativismo sofreu alterações profundas. Questões que estavam meramente no plano ideológico passaram para a prática e assim as ações de sustentabilidade se tornaram mais visíveis.

O Que é Extrativismo Predatório?

O extrativismo que é conhecido como predatório é aquele que se caracteriza por retirar da natureza recursos que podem ser minerais, animais ou vegetais de forma indiscriminada. Basicamente se retiram riquezas de um lugar sem a preocupação de restituí-las, em algum momento esses recursos deixarão de existir, pois irão se esgotar.

Um dos principais problemas do extrativismo é que ele provoca o desequilíbrio no ecossistema e com isso impactos que muitas vezes não são perceptíveis como, por exemplo, o assoreamento dos lagos e rios, a destruição das margens dos rios, a deterioração do ambiente, destruição da cobertura vegetal entre outras consequências.

Um exemplo prático de extrativismo predatório está ligado a extrativismo mineral em que o garimpo contamina a água dos rios com mercúrio e outros detritos. São muito grandes os danos causados em áreas em que o garimpo é realizado e o pior é que esses danos não são reversíveis.

Os Tipos De Extrativismo

Extrativismo Vegetal

É o extrativismo que coleta recursos de origem vegetal. No Brasil o maior exemplo desse tipo de extrativismo acontece na Região Norte em que é comum coletar madeiras, açaí, castanhas e látex (a seiva retirada da seringueira) que é utilizada para a fabricação. Houve um tempo em que a região Norte viveu tempos econômicos muito prósperos devido a extração de látex da seringueira, período que ficou conhecido como Ciclo da Borracha cujo auge se deu entre 1879 a 1912.

Extrativismo Mineral

O extrativismo com cunho mineral consiste em explorar recursos minerais que estão no subsolo como o manganês, ouro, diamante, minério de ferro, bauxita, petróleo, água mineral, urânio, cobalto, prata, cobre entre outros.

Extrativismo Animal

Nesse tipo de extrativismo ocorre a captura de animais por meio da caça (que é ilegal no Brasil exceto para comunidades indígenas) e a pesca que deve ser feita de acordo com regras que visam preservar as espécies marinhas.

Problemas Da Atividade Extrativista

A atividade extrativista é muito importante para o homem tanto no que concerne a sua sobrevivência direta como a aquilo que se refere ao desenvolvimento econômico da sua sociedade. Porém, essa atividade também pode acarretar em vários problemas como a diminuição da biodiversidade, poluição, extinção de espécies animais e vegetais entre outros.

Extrativismo No Brasil

Ao longo da história do Brasil foram desenvolvidas inúmeras atividades de extração de produtos nativos da biodiversidade. O país passou por vários ciclos econômicos em diferentes épocas, que tinham como base o extrativismo. Um dos períodos mais marcantes da história é aquele que ficou conhecido como “Drogas do Sertão” em que o foco estava na borracha, madeira, metais preciosos, cacau entre outros produtos.

Ainda hoje muitas famílias brasileiras vivem do extrativismo, pois mesmo que a atividade enfrente oscilações de preço se mantém como uma atividade essencial para a economia do país. Muitos brasileiros são empregados pelo extrativismo, porém, não existe um incentivo concreto por parte dos órgãos públicos para a manutenção dessas atividades além da falta de incentivos econômicos e fiscais. O extrativismo quando realizado de forma consciente pode representar uma importante atividade econômica. Muitas pessoas sobrevivem da coleta de recursos naturais.

O Brasil e Seus Produtos De Extrativismo

Nosso país é bastante rico em recursos e diversificado sendo que cada região possui itens bastante característicos de extrativismo. Por exemplo, na região Norte a atividade extrativista que mais se destaca é a vegetal com o Murici, o Cupuaçu, o Buriti e o Babaçu.

A região centro-oeste do Brasil tem como principais produtos do extrativismo o Pequi, a Bacaba e o Baru. Existem leis que protegem essas espécies para evitar que o extrativismo se torne predatório. Qualquer cidadão pode ter acesso aos frutos dessas árvores.

O Brasil e Seus Produtos De Extrativismo

O Brasil e Seus Produtos De Extrativismo

As atividades de extrativismo são realizadas no Brasil desde o período colonial em que o destaque era para o extrativismo vegetal de madeira e de minérios como o ouro principalmente nas regiões Norte, Centro-Oeste e Sudeste. Durante o século XIX o extrativismo se tornou mais intenso no Norte do Brasil devido a existência de uma grande variedade de madeiras e plantas que podiam ter uso medicinal.

No século XX, antes da Segunda Guerra Mundial, a região Amazônica se destacou pela prática do extrativismo da borracha e também da castanha. No período depois da Guerra a extração de madeira de tornou mais intensa. A partir da década de 60 o extrativismo mineral também passou a ser realizado mais efetivamente nessa região com especial atenção para minerais como ferro, ouro e bauxita dentre outros minérios.

http://www.youtube.com/watch?v=7404s4Qqc2U

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Recursos Naturais

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *