Tribos Xingu: Costumes, Colonização e Desrespeito ao Rio Sagrado

A vida dos índios está cheia de mistérios e segredos reservados apenas para uma tribo. Em 1961, Jânio Quadros criou o Parque do Xingu, a primeira terra indígena homologa pelo governo federal.

Os irmãos Villas Bôas e Darcy Ribeiro foram nomes que colaboraram de forma direta na implantação do projeto que visa defender as 14 etnias distintas existentes na sul da região com quase 28 mil km². A distância entre Cuiabá, Capital do Mato Grosso, e o Xingu, está equivalente a 600 km.

Linguagem Nas Tribos Xingu

Os aproximados seis mil índios da região traz quatro diferentes famílias linguística: Macrojê, macrotupi, caribe e aruaque; Existem inúmeros estudos realizados pela UNESCO que consideram o local como maior mosaico linguístico puro existente em todo o planeta.

O sistema regional e a etnografia são considerados são complexos, com algumas semelhanças e variações de origens diferentes, que respeitam as tradições vivia por cada tribo. O Alto do Xingu traz questões que demandam maior nível de investigação e esforço entre as informações compartilhadas pelos pesquisadores.

Apesar de grande diversidade de linguagem, as tribos presentes na região desde antes da colonização estabeleceram um tipo de comunicação inteligível somente entre as grandes tribos.

Música Nas Tribos Xingu

Existe ampla diversidade de instrumentos fabricados por matéria-prima vinda da vegetação amazônica. Algumas tribos acredita que as músicas servem para afastar os maus espíritos. Exemplo interessante está nas “Mulheres do Xingu”, que já viajaram a diversos países para fazer apresentações de cantos tradicionais das tribos.

De acordo com a crença, as mulheres realizam rituais cantando para proteger os homens que estão nas florestas em busca de alimento à tribo. Momentos de comemorações também fazem o povo indígena cantar e dançar.

As flautas uruás possuem quase um metro e meio de altura. Os índios tocam o instrumento que possui alto poder sonoro. Tambores, chocalhos e outros tipos de percussão ou sopro fazem parte dos principais instrumentos indígenas utilizados nos cultos das tribos no Xingu.

Colonização e Redução de Tribos no Xingu

De acordo com estudos arqueológicos feitos por Michael Heckenberger, a primeira ocupação aconteceu no século IX DC. As tribos chegaram com indústrias cerâmicas evoluídas, parecidas com as produzidas pela população arawak, presente no Xingu da atualidade.

O pesquisador acredita que os arawak foram a primeira tribo indígenas que colonizou a região. A hipótese fica reforçada por causa das diversas tribos da América do Sul que falam a linguagem natural deste grupo. A família linguística se estende das ilhas do Caribe até a periferia meridional do Amazonas.

Heckenberger aponta que os arawak chegaram ao Amazonas pelo sul das passagens da América Central. Outros índios da mesma etnia chegaram pelas planícies bolivianas. As tribos estudadas pelo antropólogo pertencem à mesma família linguística dos índios colonizadores. A cultura também é semelhante, assim como as elaborações de sistemas agrícolas.

Seguindo na hipótese, a linguagem dos arawak permanece intacta há milhares de anos. A tese ainda necessita de maior embasamento teórico, visto que foi idealizada em 1993. Existem poucos pesquisadores e investimentos do governo federal para este tipo de pesquisa. De qualquer forma, se pode afirmar com maior certeza que as populações indígenas chegaram ao início do século XIII com gramática cultural pré-estabelecida e sistemas de produções complexos.

Escavações em doze sítios pré-históricos na região do Xingu atestam que as aldeias das épocas eram pelo menos dez vezes maiores do que as existentes na atualidade. Estes sítios evidenciam a presença de longos trajetos que indicavam presença de ampla interação social entre as tribos.

Karl Von Den Steinen, primeiro etnógrafo a realizar estudos na região, no final do século XVII, diz que por causa de efeitos diretos e indiretos das conquistas e chegada dos europeus as aldeias iniciaram o processo de desaparecimento em massa, principalmente por causa das epidemias.

Desrespeito ao Rio Xingu

Na atualidade, a usina de Belo Monte representa discussão presente nas reclamações dos ecologistas e indígenas em favor de menos degradação ao meio ambiente. De acordo com a Constituição Federal, as leis devem favorecer de forma preferencial aos índios, considerado como população nativa no país.

Indígenas consideram o Rio Xingu como símbolo sagrado das crenças e cultos. Há longos anos, as tribos celebram rituais na beira das suas águas. Ecologistas dizem que a presença da usina hidrelétrica podem provocar mudanças consideráveis no ciclo ecológico.

Governo Federal não se importa e implanta a construção em ritmo acelerado, principalmente porque os trabalhadores que participam do projeto acabaram de encerrar um longo ciclo de greve por reivindicação por maior período de férias.

A presidência da República afirma que não vai permitir que o desmatamento níveis altos, mas causa o próprio desrespeito com indígenas e natureza. O atraso para modificar o Novo Código Ambiental representa as legítimas preocupações do poder executivo.

Tribos Que Vivem na Região no Parque do Xingu

Arawak

Kuikuro

Kalapálo

Nahukuá

Matipú

Txikao

Mehináku

Waurá

Yawalapití

Awetí

Kamaiurá

Juruna

Kayabí

Trumãi

Suiá

Menbengokrê

Panará

Vídeos Sobre as Tribos no Xingu

Reportagem do Fantástico que traz os costumes cultuados pela tribo kamaiurá. Aldeias formadas em círculos localizados no meio da vegetação rasteira. O solo da aldeia é composto mais por areia do que terra. Vivem na margem da lagoa Ipavu, considerada como sagrada de acordo com a religião. Existe uma longa estrada de terra que liga a tribo com outros povos da região.

Para receber a equipe de TV, os índios estavam todos pintados, dançando e cantando com alegria. Um tradutor, também trajado como indígena, traduz as palavras conversadas entre a repórter e o cacique – que faz questão de apresentar sua família para as telas da câmera.

Nesta outra matéria, também feita pelo Fantástico, os internautas podem assistir como funciona o ritual feminino da passagem à vida adulta. Meninas ficam anos nas malocas até o momento de virar mulher. De acordo com a tradição, elas devem assegurar os segredos das tradições únicas cultuadas pela tribo.

Este vídeo traz as comemorações das festas do Guarupe, realizados em alguns anos, variando conforme a quantidade de índios kamaiurá falecidos. Flautas uruás são tocadas junto com outros instrumentos indígenas. Algumas tribos vizinhas participam do evento repleto de simplicidade e espiritualidade.

Artigo escrito por Renato Duarte Plantier

 

4 comentários

  1. eu achei intereçante o q a tribo xingu fez para eles se alimentaren e como elas se pintam é muito intereçante o q a tribo fez por eles

  2. muito boa a materia parabens

  3. sabedoria desse povo indígena,deixada para o povo branco,destacam muito em suas culturas,modos adorei a matéria

  4. trabalho muito interesante adorei isso
    muito + bom do q os outros :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>