Anfíbios Anuros: Características Gerais

Anura é uma ordem de animais na classe anfíbia, que inclui diversas espécies de sapos. Há 5.000 espécies descritas na ordem. Os anuros são divididos em três subordens: Archaeobatrachia, Mesobatrachia e Neobatrachia. Classificação baseada em características morfológicas como o número de vértebras, a estrutura da cintura escapular e a morfologia dos girinos.

Imagem de Amostra do You Tube

Taxonomia dos Anfíbios Anuros

Archaeobatrachia é tipo primitivo de sapos. Essas rãs possuem características morfológicas encontradas em principal nas rãs extintas e estão ausentes na maioria das espécies de sapos modernos.

A maioria das características é comum entre todas as famílias de Archaeobatrachia, ou não estão ausentes de todas as espécies modernas de sapo. No entanto, todos possuem vértebras livres ao passo que todas as outras espécies tenham costelas fundidas às vértebras.

Neobatrachia compreende espécies modernas de sapo. A maioria têm características morfológicas mais complexas do que as outras famílias. Possui osso palatino, aparelho do osso maxilar. Isto está ausente em todos os Archaeobatrachia e alguns Mesobatrachia.

O terço distal do carpo é fundido com os restantes do carpo dos ossos. O longo adutor muscular está presente na Neobatrachia, mas ausente na Archaeobatrachia e em alguns Mesobatrachia. Acredita ter músculo pectíneo diferenciado, a diferenciação não ocorreu nas rãs primitivas.

Mesobatrachia são considerados ligação evolutiva entre os outros dois gêneros. As famílias dentro da subordem em geral possuem características morfológicas típicas das duas outras subordens.

Devido às características morfológicas que separam as rãs existem sistemas diferentes para a classificação dos anuros. Estes sistemas de classificação diferentes costumam a dividir a subordem Mesobatrachia.

Sapo Cauda: Características Gerais

As rãs de cauda é uma das duas características anatômicas distintas adaptando as espécies a vida em correntes de fluxo rápido. Até 2000, o gênero foi acreditado para ser monotípico. No entanto, naquele ano, Nielson, Lohman e Sullivan são evidências publicadas da subespécie para a própria espécie.

Em geral classificado na ordem de Archaeobatrachia, embora alguns digam que deve ser irmã para todos os outros sapos. A “cauda” é encontrada apenas em machos, parte da cloaca, usada para introduzir o esperma na fêmea durante o acasalamento. Esta característica anatômica melhora o sucesso reprodutivo, minimizando a perda de esperma nos fluxos turbulentos.

Estes sapos são primitivos em ter um maior número de vértebras que outras espécies. Na falta da capacidade de vocalizar possui nervuras livres. Eles são pequenos, entre 2,5 centímetros (0,98 in) a cinco centímetros (2,0 in), encontrados nos córregos de Montana, Idaho, Washington, Oregon e norte da Califórnia.

Compartilham certas características com o Leiopelma, gênero de sapos primitivos nativos da Nova Zelândia, com a qual eles podem ser irmãos filogenéticos. O pré-histórico Vieraella pertence à família sapo cauda.

O habitat do sapo atado é frio, correntes que se movem de modo rápido com fundo de pedras. Rãs de cauda são aquáticas, mas adultos podem surgir durante as condições molhadas legais para forragem terrestre.

Época de reprodução acontece entre maio a setembro. As fêmeas depositam os ovos em cordas debaixo de pedras nos riachos de movimento rápido. Larvas levam de um a quatro anos para se metamorfosear em riachos velozes.

Espécie com grande variedade de itens alimentares, incluindo larval aquática e terrestre, insetos adultos, artrópodes (em especial aranhas) e caracóis. Também consomem pequenas quantidades de filamentosas de algas verdes algas.

Durante o dia, os adultos procuram cobertura em substratos submersos no fluxo ou em nos objetos de superfície do córrego. Os indivíduos também foram encontrados nas paredes do penhasco, perto das cachoeiras.

No Inverno as pessoas são menos ativas, em especial no interior, parecem recuar sob os grandes troncos e pedras. Requer correntes frias com pedras lisas em diâmetro mínimo de 55 milímetros. Passam a maior parte da vida ligada a tais substratos por grande ventosa oral.

Bombinatoridae: Características Básicas

Referidos como sapos fogo inchado devido aos lados ventrais coloridas que mostram alto teor tóxico. Esta família inclui dois gêneros, ambos têm corpos achatados. Costumam exibir o reflexo quando perturbados.

O animal tem costas e pernas para expor a barriga brilhante e pode virar de costas. Ação age como um aviso aos predadores. Põem ovos pigmentados nas lagoas. Presentes Ilhas Filipinas, Bornéu e Eurásia. Fósseis apontam origem entre o Plioceno ao Pleistoceno.

Discoglossidae: Família de sapos primitivos. A maioria é endêmica para a Europa, mas também existem três espécies no noroeste da África. A família contém dois existentes gêneros, Alytes e Discoglossus. O primeiro prefere a vida na terra e o segundo na água.

Leiopelmatidae: O Leiopelmatidae ou Nova Zelândia são rãs primitivas, família pertencente à subordem Archaeobatrachia.

Defesa dos Anuros

Aposematismo é comum em invertebrados, em principal nos insetos, mas nem tanto nos vertebrados, sendo confinado na maior parte a menor número de répteis, anfíbios e peixes das espécies.

Algumas plantas empregam aposematismo para avisar herbívoros de produtos químicos ou defesas físicas. De modo nítido, contrastantes em preto-e-branco dos gambás são exemplos dentro de mamíferos. Alguns pássaros coloridos com padrões contrastantes também podem se encaixar dentro do termo.

Porém, este tipo de defesa está presente de modo particular nas características dos anfíbios anuros, que por eras desenvolvem métodos de autodefesa.

Vale ressaltar que no mundo dos anfíbios os principais sinais envolvem cores vivas e contrastantes. Pesquisas indicam que a maior parte das vezes, os sinais de alerta são indicações que evolui em conjunto com a nocividade. Assim, o brilho acontece conforme o nível de ameaça encontrado pela frente.

As cores mais comuns são vermelho, amarelo e preto. Esses tons proporcionam contraste pesado contra a folhagem verde. São resistentes às mudanças nas sombras e luminescência. A vantagem final dos tons está em proporcionar camuflagem em distância. A estratégia utiliza o fato de que apesar de muito evidente, as cores não são visíveis às distâncias longas.

Não se pode ignorar o fato de que a coloração de advertência pode não ser perfeita, os sinais são dependentes das condições do ambiente. Pontos como a luz e da visão do predador desempenham papel na formação de coloração de advertência bem adaptada. Os sinais podem ser acompanhados de odores específicos, sons ou mudanças de comportamento.

Artigo Escrito por Renato Duarte Plantier

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>