Atividade Geológica e Terremotos

A litosfera, ou crosta da Terra, representa a superfície de composição sólida que está situada na parte externa no planeta. A crosta foi gerada pelo processo de unidades ígneas, nas quais o magma, ou rocha derretida, se resfria e parte para a solidificação no sentido de se formar como rocha sólida. Por de baixo das crostas existe manto aquecido que entre as outras funções promove a desintegração de elementos radioativos. As placas da litosfera se movem em consequência do processo de tectonismo – termo usado para designar as movimentações da litosfera com origem nos processos tectónicos.

Movimento da Placa Tectônica Global

Terremoto representa o resultado da liberação repentina de energia da crosta terrestre que cria ondas sísmicas, que definem frequência, tipo e tamanho de sismos experimentados durante certo período de tempo. São medidos através das observações de sismógrafos. Terramotos numerosos que ultrapassam o nível-5 são relatados por observatórios nacionais sismológicos, também referidos como escala Richter.

Até a magnitude de nível-3 as movimentações são quase imperceptíveis. Por outro lado os de nível-7 podem causar danos graves em áreas maiores, dependendo da profundidade. Os maiores terremotos em tempos históricos foram de magnitude superior ao nível-9. Vale ressaltar que não existe nenhum limite para a magnitude possível.

O terremoto de grande de magnitude nas épocas modernas que registrou magnitude 09 aconteceu no Japão, em 2011. Na superfície da Terra, os terremotos se manifestam por agitação e deslocamento do solo. Quando o epicentro de um grande terremoto está no oceano, o fundo do mar pode ser deslocado o suficiente para causar tsunamis. Os terremotos podem também provocar deslizamentos de terra e atividade vulcânica de maneira ocasional.

Eventos Sísmicos e Terremotos

Em termos gerais, a palavra sismo é usada para descrever qualquer evento sísmico, naturais ou provocados pelo homem, capazes de gerar ondas sísmicas. Os terremotos são causados de maneira principal pela ruptura de falhas geológicas, mas também por outros eventos, como atividade vulcânica, deslizamentos de terra, explosões de minas e os testes nucleares. O ponto de ruptura inicial é chamado de foco ou hipocentro. O epicentro representa ponto no nível do solo situado acima do hipocentro.

Tipos de Falhas Sísmicas

Sismos tectônicos ocorrem em qualquer lugar do mundo onde há energia suficiente de deformação elástica armazenada para conduzir propagação e fratura ao longo de plano de falha. Os lados do movimento de falha passam uns aos outros de forma harmoniosa somente quando não existem irregularidades ou asperezas de superfície ao longo da falha que aumentam a resistência de atrito. Uma vez que a falha tiver fechado o movimento relativo entre as placas leva a tensão crescente e à deformação armazenada no volume em torno da superfície da falha. Isso continua até que a tensão aumente o suficiente para quebrar a aspereza, liberando a energia armazenada.

Esta energia é libertada como combinação de radiação elástica de deformação de ondas sísmicas, aquecimento por fricção da superfície de falhas e fissuras na rocha, causando assim os tremores de terra. Cientistas atestam que dez por cento do total de energia dos tremores de terra são irradiadas como energia sísmica. A maior parte da energia do tremor de terra é utilizada para fornecer energia ao sismo que fratura o crescimento e converte o calor gerado pelo atrito. Existem três tipos principais de falha, aos quais podem causar um terremoto: normal, inversa (impulso) e transcorrente.

Na modalidade normal o deslocamento ao longo da falha envolve componente vertical. Falhas normais ocorrem em áreas nas quais a crosta está sendo estendida como limite divergente. Falhas inversas acontecem em áreas onde a crosta está sendo encurtada, como em um limite convergente. Transcorrente são estruturas íngremes em que os dois lados da falha deslizam de maneira horizontal, umas sobre as outras.

Falhas inversas, especialmente aquelas ao longo dos limites de placas convergentes estão associadas com terremotos poderosos, incluindo quase todas as magnitudes de nível-8 ou superiores. Transcorrente continentais traz transformações que podem produzir grandes terremotos até cerca da magnitude nível-8. Terremotos associados às falhas normais são inferiores ao nível-7.

Sismos e Rupturas

A energia libertada do sismo é proporcional à área da falha das rupturas. Portanto, quanto maior for o comprimento em toda a largura da área falha, mais magnitude possui o resultado. A parte superior frágil da crosta da Terra e as lajes frias das placas tectônicas estão descendo para dentro do manto quente. São as únicas partes do nosso planeta que pode armazenar energia elástica e liberar em rupturas de falha. Os comprimentos máximos observados de rupturas e falhas mapeadas podem quebrar de uma vez em aproximados mil km.

Falhas transcorrentes tendem a ser orientadas de maneira vertical, resultando em largura aproximada de dez km dentro da crosta quebradiça; Magnitudes máximas ao longo das falhas normais ainda são limitadas porque grande parte está localizada ao longo de centros de expansão, como na Islândia, onde a espessura da camada frágil é de apenas cerca de seis quilômetros.

Terremotos Longe de Limites das Placas

Os limites das placas ocorrem dentro litosfera continental, a deformação espalha em área maior do que o limite da placa em si. No caso da falha de San Andreas, muitos sismos ocorrem fora do limite da placa e estão relacionadas com as estirpes desenvolvidas dentro da ampla zona de deformação provocada por grandes irregularidades no traço de falha.

O terremoto de Northridge foi associado com a movimentação em impulsos cego à zona em questão. Outro exemplo interessante de terremotos gerados longe dos limites das placas está nas placas da Eurásia e local no qual acontece o desenvolvimento do terremoto: Na parte noroeste das montanhas Zagros. A deformação associada a este limite da placa é dividida em movimentos de sentido quase puros de encosto perpendicular ao contorno da zona ampla no sudoeste.

Todas as placas tectônicas possuem campos de tensão internos causados por suas interações com placas de vizinhos. Estas tensões podem ser suficientes para causar falha ao longo dos planos existentes. Terremotos ocorrem com frequência em regiões vulcânicas e são tanto pelas placas tectônicas como em consequência do movimento de magma em vulcões.

Artigo escrito por Renato Duarte Plantier

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Desastres Naturais

Artigos Relacionados


Artigos populares

Comentários

  • eu goste muito de saber muito sobres os sismos porque e importante para as pessoas da terraporque se houver um sismo

    sara maria sousa ponte 9 de Abril de 2013 15:25

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *